-

O Inferno Existe: Segundo Testemunho

Leia em PDF terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

O INFERNO EXISTE PROVAS E EXEMPLOS

Naquele tempo, isto é, por ocasião do Natal de 1859, ela ainda vivia e contava pouco mais de quarenta anos.

Achava-se essa dama em Londres no inverno de 1847 e 1848; enviuvara aos 29 anos, era muito rica e muito amiga dos divertimentos mundanos. Entre as pessoas elegantes que frequentavam a sua casa, notava-se especialmente um moço, cujas contínuas visitas a comprometiam não pouco e cuja vida estava longe de ser edificante.
Uma noite, a senhora lia não sei que romance para conciliar o sono. Ouvindo bater o relógio, apagou a vela e dispunha-se para deitar, quando percebeu, com grande assombro, que uma luz estranha e pálida vinha da porta do salão contíguo e espalhava-se a pouco e pouco no quarto, aumentando sempre. Não sabendo o que era, do pasmo passou ao medo  eis senão quando, viu abrir-se lentamente a porta do salão e entrar no quarto o jovem desregrado, o qual, antes que ela pudesse pronunciar palavra, aproximou-se, tomando-a pelo braço esquerdo, apertando-lhe fortemente o pulso, e com aceno desesperado, lhe falou em inglês:

– Existe o inferno!

Foi tão grande o susto que a senhora perdeu os sentidos. Voltando a si, tocou nervosamente a campainha para chamar a criada, que a tendeu; entrando no quarto, esta sentiu logo um cheiro de queimado e chegando-se à ama, que com dificuldade articulava umas palavras pôde ver que tinha ao redor do pulso uma queimadura tão profunda que a carne desaparecera e ficava à mostra o osso. Observou além disso, que da porta do salão até o leito e do leito à porta do salão estava impressa a pegada de um homem, que tinha queimado o pano de parte a parte. Por ordem da ama, abriu a porta do salão, e notou que lá terminavam as pegadas no tapete.

No dia seguinte, a desditosa senhora soube com aquele medo que bem se compreende, que alta noite, o tal moço se embriagara com excesso, e transportado para casa, veio a morrer pouco depois.

Ignoro, acrescenta o superior, se esta terrível lição tenha convertido a infeliz dama; o que sei é que ela ainda vive e para esconder aos olhares curiosos o sinal daquela sinistra queimadura, leva no pulso, à guisa de bracelete, um largo enfeite de ouro, que não deixa nem de dia nem de noite. Repito que os particulares eu os tive da boca de um seu parente próximo, católico sincero, a cuja palavra presto fé. Os parentes não falam do ocorrido e é por isso que tenho o cuidado de ocultar o nome da família.

Apesar do véu, no qual esta aparição foi e deveu ser envolvida, não me parece, acrescenta Monsenhor Ségur, que se possa pôr em dúvida a formidável autenticidade.

3 comentários:

Daniel Carvalho disse...

Tem e deve ser bem grande ,pra' caber tantos hereges,hipócritas ,idolatras de si mesmo!Se não bastasse ,ainda vendilhões do que é sagrado, se fazem passar por autoridades de Deus ,como se o fossem !Verdadeiras Jezebél se anunciam como servas do Altìssimo !Sendo que não teriam credibilidade nem entre os homens de má conduta,quanto mais abrir suas bocas profanas anunciando a divina palavra e rechaçando até o que 0 Senhor Deus ,chamou de bem aventurada.o inferno existe sim,e ja tem os seus pre-destinados para ele,pois se assim não o fosse como poderiamos chamar a Santa Mãe de a escolhida? pois ela tambem em outras palavras foi pre-destinada !para assunção e gloria e a serpente e seus seguidores
para a vergonha e a derrota !

silvana disse...

Um dos motivos para mim crer foi ler "Confissões do Inferno.."

Anônimo disse...

E essa historia prova alguma coisa ...... cade o nome da mulher ou vai dizer que em londres as pessoas não usavam nomes.... tsc tsc tsc fake demais qualquer pessoa com mais de 6 anos não acreditaria na veracidade de uma "prova de existencia" tão vaga assim

Postar um comentário

Faça seu comentário aqui!